Autoproclamado ‘presidente’, Zé de Abreu precisa explicar recibos de peça que recebeu R$ 300 mil da Rouanet

Ainda em 2017, durante o governo de Michel Temer, o ator petista José de Abreu foi convidado a prestar esclarecimentos sobre o uso de R$ 300 mil que foram captados via Rouanet.

O dinheiro, retirado por José e sua ex-mulher, Paola Mosquella, deveria ter sido devolvido aos cofres, após uma decisão da Justiça.

Mosquella, então, resolveu recorrer da decisão e teve as contas aprovadas. Para tanto, ela precisou enviar todos os comprovantes oriundos das casas onde o espetáculo foi apresentado.

porém, conforme informa a Veja, o Ministério da Cultura resolveu reabrir o caso após constatar novas incoerências. As incongruências nas explicações revelam ainda R$ 44 mil não explicados, sendo R$ 35 mil em nove notas fiscais e a ausência de comprovantes de gastos com passagens aéreas e hospedagem no valor de R$ 9 mil.

As notas chamaram atenção da CPI da Lei Rouanet, na época, pois apesar de terem sido preenchidas por pessoas de empresas diferentes, todas possuem a mesma caligrafia. Outra explicação necessária, são as datas das notas emitidas pela Bravix, responsável pelos serviços de assessoria de imprensa e projeto gráfico do espetáculo. Como informa a Veja, “a nota de número 001382 tem a data de novembro de 2009. Já a nota 001385, que em tese deveria ser posterior à primeira, é datada de outubro do mesmo ano”.

“Como você emite um mês depois uma nota que vem antes da primeira?” Questionou o deputado Sóstenes Cavalcante, vice-presidente da CPI na época.

Ao que parece, o autoproclamado ‘presidente’ da esquerda é tudo o que eles valorizam.

Informação da Veja.