Após centenas de deserções, Maduro sinaliza possibilidade de diálogo com a oposição

Em uma informação do Estadão, já são mais de 600 militares venezuelanos que abandonaram as forças de Maduro e se encontram em estado de deserção.

O primeiro sargento Carlos Zapata afirmou que as tropas não tem mais comida. “Nós, sargentos da Guarda Nacional Bolivariana, estamos dormindo no chão, porque não temos colchão. O salário não dá para nada. Não estamos conseguindo pagar nossas necessidades básicas. Já não temos mais fardas e coturnos. Não temos nem dinheiro para comprar leite para nossos filhos” e continua “Temos medo por nossos parentes. Eles ameaçam prender nossos filhos ou matá-los. É assim que atua o governo”.

Após inúmeras derrotas que trouxeram o enfraquecimento ao já ilegítimo governo de Maduro, o ministro das Comunicações da Venezuela, Jorge Rodriguez, anunciou que o ditador está disposto a dialogar com a oposição. O governo exige o fim das sanções impostas ao país e o “respeito à soberania e à paz”, mas descarta qualquer possibilidade de novas eleições.

Com informações do Estadão e do Antagonista.