Auditores da Receita e juristas engrossam o coro contra Gilmar Mendes

O Sindifisco, Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal, soltou uma nota duríssima na qual parte diretamente para o enfrentamento de GIlmar Mendes.

Diz a nota: “O Sindifisco Nacional, entidade que representa os Auditores-Fiscais da Receita Federal, manifesta profundo repúdio e irresignação com as expressões pelas quais o ministro Gilmar Mendes – por meio de diversos veículos de comunicação – tem-se referido à Receita Federal e ao seu corpo funcional, nos últimos dias.

Temos assistido, atônitos, a um magistrado da mais alta corte do país proferir impropérios e acusações da maior gravidade sobre a instituição e seus Auditores-Fiscais, classificando-os por termos como “milícias”, “bando”, e jogando ao vento especulações vazias acerca da existência de “achaques” e de um suposto “mercado de dossiês”. Esse espetáculo deprimente contrasta com o papel e as responsabilidades de quem está investido do nobre encargo de zelar pelo respeito à Constituição Federal.

Sem nenhum lastro fático, Gilmar Mendes cria uma temerária narrativa de que a Receita Federal teria se transformado num órgão de “pistolagem” a serviço de juízes e promotores, referindo-se de maneira inusitadamente ofensiva ao Ministério Público Federal e aos magistrados responsáveis pelos julgamentos atinentes às operações Lava Jato e Calicute. Segundo o ministro, teria havido uma “encomenda” desses órgãos junto a Auditores-Fiscais, que estariam atuando à margem da lei e à revelia do órgão”

Modesto Carvalhosa, famoso e sempre certeiro jurista, também aproveitou para ‘descascar’ a postura de Gilmar Mendes.

Diz ele: ”

A Receita Federal é hoje integrante fundamental da Força Tarefa da Lava Jato, juntamente com o Ministério Público e a Polícia Federal. Sem ela, grande parte dos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro não seriam apurados.

Apoiamos totalmente a Receita Federal na investigação das fraudes contra os corruptos. Servidores públicos (Ministros ou não) e contribuintes do setor privado devem ser igualmente fiscalizados pela Receita.

A sociedade, a cidadania não permite que crimes de corrupção e fraudes fiscais sejam escondidas.

Destaca o Estadão que, “numa dura nota de repúdio, o Sindifisco diz que os auditores têm assistido atônitos ‘a um magistrado da mais alta corte do País ‘proferir impropérios e acusações da maior gravidade’, classificando os servidores do órgão por termos como ‘milícias’, ‘bando’, e jogando ao vento especulações vazias acerca da existência de ‘achaques’ e de um suposto ‘mercado de dossiês’.”

Vamos nos pronunciar nas redes sociais em apoio aos servidores da Receita Federal e ao excelente trabalho que têm feito ao nosso país. Não podemos aceitar essa campanha do Presidente do Supremo Tribunal Federal, o Ministro Dias Toffoli contra verdadeiros heróis nacionais.”