Lula e Dilma deram 68 milhões de dólares a Cuba de forma ilegal, aponta TCU

O governo brasileiro sob o comando de Lula e Dilma concedeu ‘desconto’ de US$ 68,4 milhões (cerca de R$ 255,6 milhões) nos juros de empréstimos concedidos pelo BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) a Cuba.

O Tribunal de Contas da União concluiu esta semana que este ‘desconto’ foi feito de forma absolutamente ilegal, poois o mecanismo utilizado pra justificar juros tão baixos foi o o Proex-equalização, que permite baixar os juros de um empréstimo em até 10 anos, mas o PT baixou em 30 anos os juros do empréstimo para Cuba.

Ou seja, além de enviar dinheiro brasileiro para financiar países ‘aliados’, Lula e Dilma praticaram juros abaixo do permitido pela lei.

O governo da ditadura comunista cubana utilizou o dinheiro para construir o porto de Mariel, inaugurado em 2014, com a presença da então presidente Dilma Rousseff. De acordo com o Tribunal de Contas da União, estes descontos foram ilegais em pelo menos quatro operações de crédito a partir de 2010 com o BNDES.

O Porto de Mariel, em Cuba, foi construído pela Odebrecht com recursos do BNDES que começaram a ser enviados a Cuba em 2009, no segundo mandato de Lula, e continuaram com Dilma.

Ao todo, o BNDES emprestou R$ 2,55 bilhões do dinheiro brasileiro para a construção do porto de Mariel e de projetos de infraestrutura no entorno, incluindo uma rodovia de acesso.

Com informações da Folha de S. Paulo