Defesa de Lula pretende denunciar à ONU que Lula “está isolado e sem plano de saúde particular”

A advogada de Lula, Valeska Martins, afirmou que estuda novas ações na ONU, na esperança de reverter o julgamento de seu cliente. “Estamos estudando medidas nacionais e internacionais”, disse a advogada em Genebra. Na última sexta-feira, 1º de junho, ela teve reuniões na cidade europeia para definir os próximas passos da estratégia de defesa no âmbito internacional.

A defesa de Lula insiste que seus direitos já estão sendo minados, “na medida que seu direito de fazer campanha está sendo prejudicado”. “Outros candidatos o acusam e ele não tem direito de resposta”, afirmou Valeska.

Lula foi preso no dia 7 de abril para cumprir a pena de 12 anos e um mês de reclusão que lhe foi imposta pelo Tribunal Regional Federal da 4. Região (TRF-4), o Tribunal da Lava Jato, no processo do triplex do Guarujá. O ex-presidente ocupa uma ‘sala especial’ no prédio-sede da Polícia Federal em Curitiba.

Um dia antes de ele ser preso, seus advogados entraram com um pedido de liminar na ONU. Uma resposta positiva por parte da entidade significaria apertar o botão de “pausa” num processo em andamento para que eventuais violações de direitos humanos fossem avaliadas. Mas a ação foi negada.

A sindicalistas e ONGs internacionais, a advogada afirmou que Lula está “em isolamento”. “Ele não tem contatos e só recebe com dois amigos por semana. E não pode receber os advogados aos fins de semana ou feriado. Para um ser humano político como ele é, não há maior castigo”, disse. Segundo a advogada, que visitou Lula há uma semana, ele está “mais magro” e está “lendo muito”.

Ela também argumentou que, com o confisco de seus bens, Lula não teria dinheiro para pagar o seu seguro saúde. “Ele é uma pessoa que teve um câncer”, disse. Questionada pelo Estado como essa questão teria sido resolvida, ela não deu uma resposta.

Fonte: Jornalivre