Advogados dos corruptos se desesperam com volta de Cármen Lúcia para Segunda Turma do STF

Advogados de acusados ou mesmo condenados que têm casos em análise na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) já não escondem mais a preocupação com a mudança na composição do colegiado a partir de setembro. Agora as duas turmas – em teoria – tem maioria de Ministros que combatem a impunidade e tem votado de acordo com a Lava Jato.

Isso porque Cármen Lúcia voltará a integrar a turma no lugar de Dias Tofolli – o ministro a sucederá na presidência do STF a partir de setembro.

A avaliação é que a substituição mudará o perfil “garantista” da Segunda Turma, que tem concedido habeas corpus para vários políticos investigados na Operação Lava Jato, como o ex-ministro José Dirceu.

Advogados costumam torcer para que o caso de seus clientes seja analisado na Segunda Turma, já que a Primeira costuma se posicionar de forma oposta em processos semelhantes.

A maioria das intervenções do STF acontecem nas turmas.

Atualmente, esse perfil garantista da Segunda Turma tem sido respaldado principalmente nos votos dos ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e do próprio Toffoli. Em questão penal, os três têm demonstrado afinidade nas decisões.

Ministros do Supremo já reconhecem que a maioria verificada em plenário pelo grupo dos ministros “consequencialistas”, agora também volta a ter presença na Segunda Turma.

“Pelo jeito, a Segunda Turma deixará de ser o Jardim do Éden para também se tornar uma câmara de gás”, comentou um ministro ao Blog do Camarotti, numa alusão aos apelidos das turmas usados pelos próprios integrantes do STF.

Siga-nos no Facebook

1 Comentário em Advogados dos corruptos se desesperam com volta de Cármen Lúcia para Segunda Turma do STF

  1. Gostaria de saber o porquê do princípio de suspeição não atinge os ministros petistas do STF? Esses sujeitos desprezíveis não poderiam julgar ninguém do PT. O PToffoli não poderia intervir no caso Dirceu e futuramente no chefe executivo da ORCRIM

Deixe uma resposta

error: