Ex-ministro do STF, Ayres Britto, considera “cruel” as algemas em Sergio Cabral

O ex-ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto, classificou como um “constrangimento jurídico ilegal e inconstitucional” o uso de algemas nos pés e nas mãos do ex-governador Sérgio Cabral, na manhã desta sexta-feira, quando foi submetido a exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba. Após ser flagrado numa rotina de regalias na cadeia de Benfica, no Rio, Cabral foi transferido para o Complexo Médico Penal (CMP) no Paraná, onde já cumprem pena outros 10 presos da Operação Lava-Jato.

— A Constituição proíbe esse tipo de tratamento desumano e cruel. As algemas para os pés só são admissíveis em situação que há risco de fuga ou agressão — disse o ex-ministro. — No Brasil, temos uma tradição de maus tratos. Os aparelhos de repressão precisam se autoanalisar e tomar consciência, assim como a sociedade, de que não existe poder absoluto.

Já o constitucionalista e criminalista Adib Abdouni tem opinião diferente. Para Abdouni, as regalias que Cabral recebia na cadeia do Rio são o suficiente para justificar o tratamento ao ex-governador:

— A algema é necessária para que fique claro a população que a polícia não é conivente com o crime. Tudo isso é um zelo realizado pelo próprio delegado – disse Abdouni.

A Polícia Federal justificou que algemou Cabral para “preservar a segurança” do ex-governador e da população que o aguardava na porta do IML.

Siga-nos no Facebook

5 Comentários em Ex-ministro do STF, Ayres Britto, considera “cruel” as algemas em Sergio Cabral

  1. Ex- ministro Ayres Brito, sugiro que o senhor faça uma visita a alguns dos hospitais sucateados do Rio de Janeiro. Lá sim o senhor verá a crueldade que este meliante cometeu, a ao que tudo indica, continua cometendo ao povo daquele lugar!

  2. Pra que plano de saúde pago pelo povo, salário mensalmente creditado na conta, transporte financiado pelo povo, moradia financiada pelo povo, etcccccc, realmente é uma covardia. Covardia ele estar sozinho na cadeia.

Deixe uma resposta